Em defesa da educação, 6 mil pessoas ocupam ruas e praças de Foz

0

Movimento unificado reuniu estudantes(as), professores(as), técnicos(as), agentes e funcionários(as) de universidades e escolas públicas.

A cidade de Foz do Iguaçu integrou a agenda de manifestações da Greve Nacional da Educação, nesta quarta-feira, 15. Cerca de 6 mil estudantes, professores(as), técnicos(as), agentes e funcionários(as) de universidades e escolas públicas da cidade e da região participaram do movimento.

Organizado pela Unidade Sindical e Popular de Foz do Iguaçu e coletivos estudantis, o protesto reuniu as comunidades acadêmicas da Unila, IFPR, Unioeste, UTFPR, servidores(as) e alunos(as) das redes estadual e municipal. Integrantes de movimentos sociais também fortaleceram o ato, considerado uma preparação para a greve geral marcada para 14 de junho.

Praça da Paz foi um dos locais de concentração - foto Marcos Labanca

Praça da Paz foi um dos locais de concentração da manifestação - foto Marcos Labanca

A concentração foi no início da tarde, no Terminal de Transporte Urbano (TTU). Servidores(as) e alunos(as) produziram cartazes, faixas e distribuíram informativos. Universitários(as) apresentaram trabalhos de pesquisa e extensão produzidos nas instituições de ensino e que beneficiam a população.

Em seguida, ainda no TTU, ocorreu ato público de denúncia à redução dos recursos para universidades e institutos federais, e de oposição ao projeto da reforma da Previdência. Educadores(as) da rede estadual cobraram do Governo do Paraná a pauta de direitos trabalhistas e investimentos na escola pública

A

APP-Sindicato/Foz cobrou do Governo do Paraná direitos dos educadores(as) da rede estadual – foto Marcos Labanca

Profissionais da educação e estudantes seguiram em passeata pela Avenida Jk, até a Praça da Paz, no centro da cidade. Representantes de servidores(as) e estudantes se revezaram ao microfone, defendendo as pautas do movimento. A manifestação teve intervenções artísticas e culturais.

“Esse é o ‘esquenta’ da greve geral que vai parar Foz do Iguaçu e o Brasil”, disse Cátia Castro, presidenta da APP-Sindicato/Foz. “Construímos uma unidade importante aqui na cidade, entre estudantes e trabalhadores(as), para enfrentar esse governo [federal]do retrocesso, para dizer não ao corte de verbas e todas as medidas que atacam a educação”, apontou.

Protesto contou com intervenções artísticas e culturais - foto Marcos Labanca

Protesto contou com intervenções artísticas e culturais – foto Marcos Labanca

Estudante do 7° período do curso de Engenharia Química, na Unila, Mateus Silva explicou que participou da manifestação para defender a educação e fazer frente à reforma da Previdência. Ele disse que a retirada de recursos afetará todas as áreas da instituição federal de ensino com sede em Foz.

“A Unila é uma universidade em implantação e já sofre com a falta de recursos. Esse corte anunciado pelo governo federal vai comprometer as áreas de ensino, pesquisa e extensão”, declarou Mateus. “Para nós, a retirada de recurso passa de 40%, percentual acima das demais instituições.”

Share.

Leave A Reply