Desmonte da educação promovido por Temer pode destruir a pesquisa no Brasil

0

Bolsas científicas, UAB e programas de qualificação de professores(as) da Rede Básica estão sob risco

A pesquisa científica está ameaçada pelo projeto de desmonte da educação pública em curso no Brasil. Cerca de 200 mil estudantes de pós-graduação e de formação de docentes poderão deixar de receber as bolsas de pesquisa em agosto de 2019, caso Michel Temer (MDB) confirme o corte de recursos para a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior).

A denúncia foi divulgada pelo presidente do órgão, Abilio Baeta Neves, em ofício endereçado ao Ministro da Educação. Principal agência de pesquisa pública e de formação de mestres(as) e doutores(as), a Capes pode receber menos recursos em 2019 do que o orçamento para este ano.

O desmonte é resultado da Emenda Constitucional n° 95, que teve origem na famigerada PEC 241, a “PEC do Teto dos Gastos”. A emenda aprovada pela base partidária que dá sustentação ao Governo Temer congela investimentos sociais por 20 anos em áreas essenciais à população.

Conforme a direção da Capes, eventual corte orçamentário resultará na suspensão do pagamento 93 mil bolsistas de mestrado, doutorado e pós-doutorado a partir de agosto do próximo ano. A medida também poderá afetar 105 mil bolsistas de programas de formação dos profissionais da Educação Básica

O corte orçamentário, se concretizado, resultará na interrupção da UAB (Universidade Aberta do Brasil) e dos mestrados profissionais do ProEB (Programa de Mestrado Profissional para Qualificação de Professores da Rede Pública de Educação Básica). Serão prejudicados pelo menos 245 mil beneficiados, entre alunos(as), professores(as), tutores(as), assistentes e coordenadores(as).

A APP-Sindicato/Foz resistiu nas ruas à aprovação da medida do Teto dos Gastos de Michel Temer e enfrenta os ataques do Governo Beto Richa-Cida Borghetti contra a escola pública. O conhecimento, a pesquisa, a cultura e a formação constroem indivíduos autônomos, lançam luz sobre o obscurantismo e são fatores indispensáveis para o desenvolvimento do país.

A APP-Sindicato/Foz soma-se a professores(as), estudantes e pesquisadores(as) na resistência ao ataque de Michel Temer contra a pesquisa científica brasileira e a formação docente.

Leia a íntegra da nota da Capes.

 

 

Share.

Leave A Reply